Arquivo da tag: padrão de beleza coreano

O mito da beleza: KPOP edition

Oi oi, minhas chocopies (hoje o oi é temático porque cês estão aqui pela qualidade do humor produzido por mim. É verdade esse bilhete)! Seguindo com o Setembro Amarelo, quero falar sobre algo bem pessoal que pode encontrar morada no coração de vocês também: a mídia geral não representa meu corpo como possível de desejo. Esse texto, na real, é uma introdução, então, leiam. Vale a pena.

Fora a produção para cinema, televisão e revistas, que lidam, normalmente, com um conteúdo mais visual, toda criação e publicação de conteúdo é uma forma de mídia. Isso se estende para a música, para a literatura, para as artes plásticas e visuais. Nessa linha, quero comentar um pouco sobre como gostar de KPOP afeta minha vida – nem sempre de um modo bom. Acho que gosto de KPOP há uns 6 anos? Talvez mais, entre idas e vindas. Falei sobre KPOP, inclusive, no meu trabalho de conclusão quando estava me formando em jornalismo. Entendam que: eu estudei a formação de persona que músicos (de todas as áreas) usam para lidar com a mídia e atrair o público. Isso é, basicamente, como olhar atrás das cortinas da produção midiática. É tipo: vocês sabem que as coisas nos filmes de terror são mentira, né? Mas isso não impede que vocês se assustem, né? Exatamente. SEGUREM ESSE PENSAMENTO ENTÃO. Quando apresentei minha pesquisa, questionei até quando o padrão usado na formação de ídolos de KPOP aguentaria nesse mesmo modelo. E, nem 3 anos depois, talvez estejamos vendo os efeitos desse modelo na qualidade de vida dos ídolos que vivem dele. Vou avisar uma coisa e espero que vocês se lembrem disso: é mais fácil ser “perfeito” sem acesso a internet (ou sem ser vigiado como no Big Brother o tempo todo).

É tão bonito que chega a ser errado, né?

Nesse texto quero falar, principalmente, de duas coisas: como a percepção do perfeito afeta quem está no holofote e como isso afeta quem está fora dele também. A ásia possui diversas coisas culturalmente únicas que me preocupam um pouco: a busca da pele branca, a busca da magreza extrema, as cirurgias plásticas… Eu sei que isso acontece no ocidente também, mas talvez através do gate keeping de informação, eu sinta que isso é mais forte lá do que no Brasil, por exemplo? Nunca fui para a Ásia, se eu estiver errada, por favor, me corrijam.

Cês não ficam um pouco mexidos com quão padrão essa foto é?

Na mídia, principalmente coreana, as pessoas são “iguais” (não como o comentário racista e sim sobre padronização de imagem): brancas, magras, com o mesmo tipo de cabelo, o mesmo tipo de atos, as mesmas respostas… É tudo muito padronizado. Porém, nos últimos tempos, parece que algo está mudando. Ídolos, tanto meninos quanto meninas, parecem estar notando que há algo errado e começaram a falar sobre isso. Distúrbios alimentares, abuso de álcool, drogas… Acho que uma dos vídeos mais chocantes que vi é uma passagem do programa Take Care of My Refrigerator (JTBC) que Jimin, integrante do BTS, fala sobre como ele precisava parar de beber e que houve um tempo em que ele comia 1 refeição real a cada 10 dias (cês podem ver o vídeo em coreano com legendas em inglês aqui).

10 dias. 1 refeição.

É bom lembrar que o menor deles é quase 10cm mais alto que eu.

Há algumas semanas li um relato no qual Ailee, uma vocalista incrível, falava que emagrecer de forma extrema estava matando ela, que ela podia estar magra e as pessoas elogiando, mas isso não era nada perto do vazio que ela sentia por dentro (cês podem ler a entrevista em inglês aqui). Cresci acreditando que “se não aguenta, bebe leite” como forma de “ah, se tu quer isso, tem que entender que essas são as consequências”, só que agora, sendo adulta, consigo perceber que há situações que são ridiculamente injustas e ninguém deveria passar por isso. Ninguém deveria ser “obrigado” a mutilar o corpo e a vida para poder caber em um padrão e ser amado. Entendo que vocês podem pensar que ninguém “está obrigando”, mas a pressão é tanta que te tira o ar, vocês entendem? Depois que Jonghyun se suicidou ano passado, toda a minha visão do KPOP mudou (não vou linkar reportagens sobre esse assunto em específico por alerta de gatilho). Não estou dizendo que a “pressão do perfeito” fez isso com ele, apenas afirmando que ela não faz a vida de ninguém mais fácil. Existe um provérbio japonês que diz que o prego que se destaca é martelado. Às vezes, as pessoas só precisam não ser marteladas.

Jjong ♥

Isso nos traz para o outro lado: a influência que isso tem sobre o público geral. A música que é produzida e faz sucesso no ocidente tem um “que” de variada: as pessoas em frente a essas músicas são brancas, negras, altas, baixas, quase nunca gordas mas existe um tipo de diversidade higienizada que faz com que as pessoas se sintam levemente enganadas em sua representatividade. AHAM, EU FALEI MESMO, @ ME. A representatividade midiática para qualquer grupo fora do padrão é podre. É podre e pobre. Mas a gente gosta de ser enganado.

O que me entristece é que – em análise pessoal – o que vi entre fãs de KPOP é uma resposta muito forte ao padrão de beleza coreano. O julgamento pela cor da pele, pela circunferência da perna, pela forma do rosto… Entendo que esse seja um movimento culturalmente comum asiático, porém a tradução desse costume me assusta. Talvez consiga contar nos dedos de uma mão só todas as meninas que conheço que pesem menos de 50kg e vivam bem. Assim como consigo contar na outra mão os meninos com 61kg e mais de 1,70 que não se achem “magros demais”. Porém, a conversão desses números seria assombrosa se compararmos com ídolos coreanos, tanto meninas quanto meninos.

O conceito de beleza também deixa vocês confusos? Porque eu sim

O grande lance da pressão estética é: ela é silenciosa. Claro, há pessoas que vão falar para você emagrecer na sua cara. Porém, os estímulos visuais são tão devastadores quanto, direta ou indiretamente. Lembram do texto da amiga magra? Tipo isso. Você se sente bem, aí começa a ficar muito fã de algum grupo. Aí vê as meninas e meninos passando por dietas malucas, que não fazem o menor sentido e começa a se perguntar “eu deveria fazer isso? olha, eles continuam vivos, talvez não seja tão horrível” e tudo pode degringolar desse ponto (acreditem na pessoa que vos fala, porque eu sou naturalmente não pálida porém, de tempo em tempo, quando baixo a guarda, me vejo querendo ser branca lívida e só recentemente percebi de onde esse desejo vem).

Em algum momento da história fizemos a besteira de atrelar beleza à magreza. Que momento pífio, que momento esdrúxulo. Toda nossa produção midiática gira em torno da adoração do belo, do magro, do sem cicatrizes, do polido e do branco. Quão estúpida é essa decisão, sabem? Não consigo lembrar UMA PESSOA SEQUER sem cicatrizes, ou sem nenhuma mancha na pele. Mas vou falar sobre isso na semana que vem, então guardem essa indignação comigo.

sdds Wendy do debut

Não sou a pessoa mais positiva da vida (quem me conhece, sabe), porém há sempre como aproveitar as partes boas de uma situação e tentar mudar as ruins (minha mãe chama de “complexo de Poliana” porém minha terapeuta nunca disse nada, então). Escutem música, dancem pela casa, cantem em coreano errado – ninguém liga, quase ninguém fala português certo também. Só não sejam cruéis consigo. Tudo o que acaba na mídia tem uma curadoria, um tratamento de foto e uma história preparada por trás. Creio que a solução para QUASE TUDO é aceitarmos ser gentis. Então, essa semana, eu peço:

 

Sejam gentis consigo e com os outros.

 

A maratona do Setembro Amarelo continua semana que vem e, não esqueçam: se vocês precisarem de ajuda imediata, não hesitem em falar com outro adulto (ou com um adulto responsável, caso cês sejam babies ainda). Se a coisa ficar complicada, o CVV (Centro de Valorização da Vida) está sempre disposto a ajudar através do 188.

 

Eu acredito em vocês e espero que vocês acreditem em mim. Mamãe bolinho tá aqui pra isso.

 

see ya, internets.