Body Positivity

A gorda em setembro

Oi, meus bolinhos de cenoura! Começou um dos meses mais importantes do ano pra mim. Setembro tem um significado importante e traz a tona uma das causas que eu mais defendo quando falando sobre o corpo livre: a importância da saúde psicológica de todo mundo.

Esse pode ser um texto um pouco diferente dos outros, porém ele é importante. Segundo o Instituto Sinapse, 30% dos pacientes que procuram por tratamentos para emagrecimento mostram um quadro relacionado a problemas de saúde psicológica. E não é a primeira vez que falo sobre como é importante manter a saúde, em todos os aspectos. Entendo que não sou médica, nem formada em qualquer área da saúde (ainda), mas tenho uma experiência real com o corpo gordo: sempre fui gorda.

giphy (6)

Não quero pregar a ideia de “BORA FICAR LOUCO, ENCHER A CARA DE TRAGO, FUMAR CIGARROS E IR NO MC DEPOIS”, longe de mim. Não fumo e nem bebo (mas comer eu como mesmo porque todo mundo tem um vício, tá? e o meu é a comida que meu irmão prepara. ou minhas vós. ou minha mãe e meu pai. ou meus melhores amigos. SEI LÁ, ME ALIMENTA AÍ, GENTE) mas a sociedade como é, acha que tem direito de questionar minha saúde porque sou gorda. Essa semana, em um evento entre amigos da família, fui questionada sobre porque não fazia cirurgia bariátrica. Simples: porque eu sou saudável. Se tivesse qualquer tipo de complicação clínica direta criada pela gordura, estaria na cirurgia hoje.

giphy (4)

E aí está o ponto. Ninguém se importa realmente com a saúde daquela pessoa. Um gordo ou uma gorda dói nos olhos, incomoda, irrita, ainda mais se essa pessoa TEM A AUDÁCIA de se sentir bem. De respirar livremente na própria pele. Sabiam que o que mais afasta pessoas gordas da academia é o julgamento social? São os olhos que acompanham a pessoa entre os equipamentos, as manchas de suor (que todo mundo tem) que parecem engolir o corpo por inteiro, é o descaso dos profissionais com aquele corpo. Não é a pessoa gorda. Falo por mim, houve um período da vida onde eu só queria duas coisas: 1) ser igual a todo mundo e 2) que ninguém conseguisse me ver. E isso, gente, mata mais por ano do que a obesidade. 1 pessoa se suicida a cada 40 segundos.

Eu não estou dizendo que todas as pessoas que se suicidam são gordas, estou explicando que infringimos dor às vezes sem perceber. Lembram do texto da amiga magra? Exatamente. Professores, colegas, chefes, namorados e namoradas. Quando criei o cincodois, minha ideia era poder manter uma comunidade que pregasse aceitação e que entendesse que existe beleza e amor de todas as formas, cores e sabores. Assim como bolo! E, cara, eu amo bolo. E amo cada ideia que tenho para poder continuar com isso, cada insight que vocês me dão, cada pessoa que vem falar comigo e cada novo projeto.

giphy (5)

Então, durante setembro vamos falar muito de saúde mental para quem é um bolinho como a mamãe. E, aproveitando, quero saber o que vocês amam. O que move esses corpos, alegra esses corações e enche essas bocas. Mamãe ama vocês!

source

 

bye, internets!

Padrão
Body Positivity, Body Shaming

Que mané “gordinha”!

Oi, meus chocolatinhos! Sussa? Bora! Hoje vamos tocar na ferida e tocar areia por cima porque A GENTE NÃO É FRACO, NÉ? Preparem o chá de hibisco e vamos dale.

O assunto de hoje é: seu diminutivo não diminui seu preconceito. Gordinha, fofinha, rechochudinha… pára, tá? Já chega. Colocar inha/inho no final de uma palavra não muda a intenção dela.

Acho engraçado como as pessoas se sentem livres de preconceito quando decidem colocar “inha/inho” na palavra. Isso é um conceito que acompanha a linguística desde quando a criança nasce, infantiliza e maquia um preceito: “não posso dizer que ela é gorda ou vou ofender ela, porém se eu disser que ela é só um pouco gorda, talvez me alivia”. Bom, tenho que contar um segredo: não alivia.

giphy

Bebês são gordinhos, porque eles tem centímetros. Eles podem ser gordinhos e gordinhas (inclusive gosto muito, queria poder apertar um bebê gordinho agora, ia melhorar o meu dia. Eu + bebês = ❤), o resto da população é gorda.

Só que aí o melado começa a subir e cês se desesperam, né? Isso acontece porque ainda, na cabeça de quem fala, gorda/gordo é uma ofensa. E, gente, pela milésima vez, não é. Vou contar um causo rapidinho pra vocês: ano passado o angu encaroçou lá em casa porque meu irmão (que é 10 anos mais novo) tinha sido tirado da sala de aula. Motivo: eles estavam aprendendo adjetivos e a professora pediu para classificarem entre bons e ruins. Uma colega disse “gorda e magra”. E A PROFESSORA ACEITOU, SABENDO DIREITINHO EM QUAL COLUNA COLOCAR CADA PALAVRA. Pra quem não conhece meu irmão, ele é um adolescente bem querido, abobado, ótimo fotógrafo, muito inteligente e ABSURDAMENTE tímido. Nesse dia ele levantou a mão e falou pra professora que não, gorda e magra não podiam ser usadas assim. A professora argumentou que NAS CONDIÇÕES SOCIAIS ATUAIS (nesse momento, na sala da coordenação, eu quis me atirar da janela)… Pra o que meu irmão respondeu: “e se eu dissesse preto e branco, as condições sociais iam ser as mesmas?”. A professora era negra e ferveu o kissuco, né.

Mas o lance é: existe uma luta negra – que eu não tenho know how necessário pra falar sobre, mas já estamos ajeitando isso – porém eu quero ressaltar que normalizar o preconceito não faz com que ele fique brando ou desapareça. Só dá mais direito a “condição social atual” de agir.

repolho

Então, como já diz Tia Má, “tira o chinelinho e põe o pé no chão”. Gorda e gordo não é xingamento, não, minhas filhas e filhos. Última vez que usaram isso contra mim, respondi: “pessoa que vê”, ao o que a pessoa não entendeu e expliquei “pensei que a gente tava falando o óbvio”. ALÔ, É ÓBVIO QUE EU SOU GORDA! Eu vejo, sinto e vivo isso todo dia, assim como toda pessoa gorda.

Da próxima vez que cês forem falar de alguém, ao invés de dizer “é gordinha”, limpem o coração de vocês e sejam justos, “é um pouco gorda” ou, se vocês são corajosos o bastante, “ela é gorda”. E não completem essa frase com nenhum “mas”, essa frase não precisa de uma justificativa. Ninguém tá por aí dizendo “ele é alto, mas é bem legal”.

thanks

Sacaram? Sejam justas e justos com vocês e com as pessoas ao redor também. Confio na família bolinho para fazer isso! Vejo vocês em breve, meus doces.

see ya, internets.

Padrão
Body Positivity

Sentir-se bem e toda essa pressão

Quero dizer que pensei muito antes de começar a escrever esse texto. Tanto que deixei uma semana em branco porque tudo parecia meio meh. Então, mãos para o alto, novinha (nada como um pouco de funk para animar) e vamos ao que interessa: sentir-se bem com o próprio corpo. Talvez eu seja um pouco mais séria dessa vez, mas não desiste de mim.

Para quem me conhece mais, sabe que eu amo a ideia e o conceito de mulheres com coragem e que fazem coisas boas por outras pessoas. Meu instagram é cheio de senpais que me inspiram muito (inclusive, flashback para alguns meses atrás quando uma senpai alemã curtiu uma foto minha e eu chorei. E mandei prints para os amigos, com o nome dela circulado em vermelho e tudo). E é sobre essa inspiração que quero falar.

flor

Esse mês não foi um mês fácil pelo simples fato de que eu não estava “em paz” com o meu corpo TÃN TÃN TÃÃÃÃN. Levei algumas semanas para perceber que algo estava realmente me incomodando porque havia uma voz dizendo “nãããão, nope. Nem pensar. Você fica falando para as pessoas se amarem e agora vai ficar aí, remoendo? Not even over my dead body!”. Obrigada, cérebro. Então ontem vi minha musa, Tess Holliday, falando que estava super nervosa por mostrar a barriga em um desfile.

tess

TESS. BLOODY. FUCK. HOLLIDAY. fica nervosa com o próprio corpo. Aí eu digo: quem somos nós, meros mortais? Quando comecei a falar sobre gordofobia na internet, eu mal sabia me situar em termos que dirá encontrar o meu lugar para falar disso.

Com essa mudança de realidade, isso de ficar de boas com o corpo e tal, é como se uma força nos forçasse a ficar sempre bem. Mas, não me entendam errado, por mim todo mundo seria feliz. O lance é: por que ficar mal por não estar feliz? Mó close errado, galera. Então, se ninguém te disse isso ainda, vem aqui:

Não precisa ficar bem o tempo inteiro. Sobre qualquer coisa, mesmo. Nem sempre a faculdade vai ser legal, ou o trabalho ou o próprio corpo. Vão haver dias que vai ser bem ruim. Do tipo “por que eu fiz isso?” e muitos momentos de ugh. Só que está tudo bem. Pode ficar na fossa uns dias. O lance é: não abraça ela. Deixa ela ali pra lembrar que “olha só, minha vida não é só essa selfie bonita no instagram” ou melhor “minha vida é bem mais que aquela coisa”, porque isso vem nas reflexões da bad.

yes

Procurem as inspirações de vocês e me contem! Me chamem no inbox ou qualquer coisa assim e vamos trocar umas figurinhas sobre amor próprio e um pouco de BAWS ATITTUDE.

Bye, internets!

Padrão