Beleza, Body Positivity, plus size

O valor da mulher gorda

E aí, meus pedacinhos de melancia, suavão? Suavíssimo aqui. Preciso que vocês me acompanhem durante um raciocínio para conseguir explicar como cheguei aqui hoje, escrevendo esse texto. Minha mãe mandou eu lavar a louça e fiz uma playlist de mulheres incríveis cantando sobre a vida delas e a vivência que elas têm para compartilhar. Eu odeio lavar louça, então precisava de ótimas músicas.

Aí vocês sabem aquele momento que a gente começa a dançar na frente da pia como se fosse parte do ballet do Faustão? Com glitter no corpo, naqueles degraus e tal (não sei se o Faustão ainda tem o ballet, faz muito tempo que não assisto tv, mas vocês entenderam), o espírito da militância bateu na minha cara. Escutando Whitney Huston e dançando como se estivesse nos anos 80, eu percebi: a mulher gorda não tem valor na sociedade. Continuar lendo

Padrão
Body Positivity, Body Shaming

Minha mãe faz dieta

E aí, minhas tapiocas de nutella. Suavão? Suavão. Nem vou falar sobre o tempo que não venho aqui, fiquei louca, não sei nem o que dizer. Mas, vamos ao que interessa. Esse texto era para ser “Minha mãe tá de dieta e outras paranóias da minha cabeça” mas achei que ia ficar muito grande na exibição.

Para quem não sabe, mamãe bolinho também tem uma mãe. Minha mãe é incrível, super inteligente e cozinha mega bem. Uma coisa que minha mãe ainda não conseguiu fazer, é deixar os padrões de beleza de lado. Trouxe isso hoje não para expor minha mãe ou qualquer coisa assim, mas sim para defender toda uma geração que vem antes da nossa.

Há alguns dias atrás, estava em um grupo de pesquisa sobre diversidade para participar de um projeto muito legal. Nisso, foi levantada uma questão: as pessoas mais velhas não sabem porque não podem ou podem gostar de algo. Vou explicar melhor: se a gente pensar no tanto (e tipo) de informação que estava disponível 30 anos atrás, é mais fácil entender porque essa galera acredita piamente que para ser feliz é necessário ser branca, magra, com o cabelo liso e tantos outros padrões. Era só o que era visto, as revistas falavam sobre isso, a televisão, as escolas…

Baseados nisso, minha mãe de tempo em tempo entra numa dieta meio maluca que só ela consegue seguir porque é meio pee-wee mesmo. Mas ela diz que para ela tá tudo bem. E entendam, minha mãe tentou, ao máximo, não me deixar passar pelo o que ela passou. Então eu fiz dietas pee-wee, nutricionista, remédio, endocrinologia… Porque, sério, a geração que veio antes da gente acredita que, basicamente, só isso tá certo.

Aí cês pensam que é só minha mãe? Não é. Ela só foi o acaso pra me deixar louca uma noite quando eu só queria jantar na boa e ela falou que tava de dieta. A gente só sabe onde tá o calo quando ele dói, escutem o que eu digo. Eu fiquei muito neurada porque na minha cabeça, que cresceu com isso, se minha mãe entra de dieta, eu preciso entrar, porque eu preciso ser magra pra ser aceita. Essa ansiedade bateu tão forte aquele dia que me deixou tonta. Mas daí eu acalmei e lembrei que não preciso #kissmyfatass

O lance é: a gente não é perfeito, imagina nossos pais, avós, tias… claro que isso não justifica nenhum tratamento horrível que tenha acontecido com qualquer pessoa gorda por aí, é só uma explicação social de onde vem esse comportamento agressivo contra o corpo gordo. Da mesma forma que o preconceito racial é entranhado na sistemática social, outras conceitos e preconceitos também são (não desvalorizando nenhum deles, todos são horríveis e completamente nocivos).

A minha dica é: paciência. Dói ser hostilizado? Dói. Do alto do meu monte de privilégios (mas a gente fala disso outra hora), eu digo que dói sim, ainda mais quando isso vem de casa. Sinceramente, pra mim foi fácil comparado aos relatos que já ouvi: mães que jogavam a comida das filhas fora; que escondiam comida; que faziam as meninas correrem por horas; que diziam para meninos que eles iam morrer sozinhos se fossem gordos (que tipo de conceito tu passa pra uma criança dizendo isso, cara?)… Mas nós somos a geração para quebrar isso, pra ajudar outras pessoas que vivem ao nosso redor. PARECE UM TEXTO OTIMISTA? Não é, não sou nada otimista hehe /cries porém é no que eu acredito. É o que eu faço. E espero que vocês façam o mesmo.

Vejo vocês em breve!

bye, internets!

Padrão