O nome dela é música gordofóbica

Oi, meus picolés de limão. Suavão? Suavão. Pra ser sincera, eu não queria tá aqui não, falando sobre isso. Mas tem várias coisas que precisam ser apontadas antes de eu começar esse texto, dentre elas:

  • ninguém me pediu ele, então eu só tô aqui porque eu gosto de sofrer
  • me dá raiva quando as coisas são erradas e sinto a necessidade de falar sobre elas
  • podia ficar escrevendo fanfic gay de kpop que nunca vai sair do meu drive, porém, isso vai mudar a vida ou a realidade de alguém? acho que não
  • acho que esse texto vai? não, MAS EU TÔ IRRITADA. então.

Olha só, pra quem não me conhece pessoalmente, eu sou uma daquelas pessoas chatas que fala de música dizendo “nossa, como esse run tá limpo, né?” e “aiiii, adoro aquele musical, muito legal”, esse tipo de pessoa. Basicamente, um pseudo-nerd. E posso dizer que não vou afirmar que algo é ruim antes de escutar, tipo, perdi esse preconceito auditivo. Se a música é ruim, é porque ela é ruim, não porque é funk, ou opera, ou screamo africano. Saca?

Mas a música da Jennifer… Ai, a música da Jennifer. Sabe o que é pior? O ritmo da música é bem legal, até? Tipo, se não fosse a gordofobia velada nas 12 linhas que se repetem nos menos de 3 minutos de música, cê pode ter certeza que eu ia tá por aí cantando ela, colocando ela na minha playlist de limpar a casa e todo esse rolê. Porém, não vai tá sendo possível.

Antes de tu achar que eu sou maluca, o Bernardo, do canal Bernardo Fala, também falou sobre isso nesse vídeo e tipo, se tu precisava de outra pessoa falando pra te convencer, tá aí.

Mariana Xavier tá linda nesse vestido, preciso comentar

Existem alguns problemas pontuais muitos fortes nessa música e, pra mim, os principais são o fato de que 1) o cara não namora a Jennifer no final do dia e 2) ele se gaba pra OUTRA MINA que ele tá com a Jennifer porque ela faz umas coisas que a outra menina não faz. Bora partir daqui.

Acho que já comentei aqui sobre sentir orgulho de meninas gordas em relacionamentos românticos saudáveis, né? Porque eu não consigo. É algo que foge da minha alçada e que preciso trabalhar. Porém, não é só porque eu, como pessoa, sou isso ou aquilo – muito importante, inclusive, assumir isso – mas existe um estigma em namorar uma menina gorda. A invisibilidade gorda (meu Deus, eu fico adiando falar sobre isso porque toda vez que começo o texto, choro e preciso ver uns vídeos pra me acalmar, mas um dia eu falo) faz com que a gente não seja uma opção. Essa mesma invisibilidade monta o estereótipo de que a menina gorda é tipo a xepa, sabe? O fim da feira, a última opção porque “pra que namorar algo que não é atraente?” – nesse nível de crueldade.

Quando a desumanização da pessoa gorda – principalmente mulheres – consegue deixar uma brecha de ar, meninas gordas são tratadas como “um segredo”. Tipo, é bom beijar a boca dela, mas ninguém pode saber. Já ouviram a expressão “amigos em segredo”? Exatamente isso. Meu pai também usa outra expressão que é “é bom mas dá vergonha”. Na moral, “é bom mas dá vergonha” devia ser usado pra quando a gente come manga com a mão, sabe? Que tu te suja toooooooda e daí tá tudo errado mas tá tudo feliz só que tu não iria no mercado assim porque dá vergonha? Nesse sentido. Nunca tratando das nossas relações sociais com outras pessoas.

Particularmente, dentre quase tudo que a pressão estética e a gordofobia afetam, esse tipo de desumanização é uma das piores. Porque tipo, é como se a menina gorda precisasse de “esmola” ou “pena” de alguém. Como se “ah, ela não é bonita nem nada, mas olha só, 15 pras 5 galera, não beijei ninguém, vou ali”, eu não sei como explicar a dor que sinto quando penso nisso. E a vontade de sair no soco com quem faz isso. Cara, se a Jennifer é tudo isso, por que ela não é sua namorada? Por que cê tá explicando pra outra mina que a Jennifer não é sua namorada? Não entendi.

Daí a gente chega na parte mais complicada de tudo isso. A refrão é esse:

“O nome dela é Jennifer
Eu encontrei ela no Tinder
Mas ela faz umas paradas
Que eu não faço com você”

Eu não sei se tu é uma mulher solteira em aplicativos de relacionamento, porém, venho como uma dizer que: os caras, eles não têm uma coisa chamada limite. Ou respeito – em sua maioria. Porque assim, é complicado TER UM MATCH. Aí, bom, deu lá o match. Existe essa coisa de assumir que se uma mulher gorda está no aplicativo, ela OBVIAMENTE tá procurando por sexo, sem compromisso, sem ninguém saber, luz apagada e com bastante fetiche.

Eu nem faço sexo – já falei isso várias vezes aqui – e fico chocada com o que ASSUMEM sobre mim. Eu não sei quando essa regra foi instaurada mas, aparentemente, mulheres gordas são “mais abertas à experimentação sexual”. Traduzindo pra todo mundo ficar na mesma página: o cara quer pedir umas coisas que ele não tem coragem de pedir pra mina padrão mas vai pedir pra mina gorda sem pensar duas vezes porque “ele que é gostoso e tá sendo legal em fazer sexo com ela”. É foda ser mulher gorda, cara. É foda.

Liberdade sexual é um tema que eu não tenho conhecimento o bastante para falar sobre, porém, sei o que é importante: é baseado em confiança e comunicação. Mulheres gordas, como grupo, não são “abertas à experimentação sexual” se eu sei qualquer coisa sobre ser gorda e mulher. Esse conceito é muito mais relativo a necessidade de agradar, o medo de ser trocada e a pressão social. Pessoas, singularmente e dentro de suas relações românticas, são abertas à experimentação sexual, não importa se elas são magras, gordas, “comuns” ou “atípicas”, porque isso vem de uma conversa aberta e adulta. Não de uma parte pressionando e a outra sendo coagida.

É uma pena que um clipe com protagonismo gordo tenha uma letra tão gordofóbica, que reitera e reforça preconceitos que afetam diretamente a vida de mulheres gordas. Infelizmente, o “hit do carnaval” é só mais uma desculpa pra o cara que “pega a mina gorda se explicar” e apresentar a menina padrão em casa. Talvez quem escreveu a música não pensou nisso. Talvez pensou. Não tenho como dizer. São tempos de luta, gurias.

Não sejam a Jennifer.

see ya, internets!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s